Sim, por favor
Não, obrigado

Entrevistas

donate Books CDs HOME updates search contact

Katolic Revue da República Tcheca, entrevista
Atila Sinke Guimarães sobre Diferentes Tópicos

O início da luta pela Igreja Católica

1. Pergunta – Sr. Atila S. Guimarães, em nosso país muitos conhecem o seu nome, que simboliza a luta pela Tradição Católica e pela Igreja nesta atual situação catastrófica. Muitos leitores também leram suas publicações e o conhecido livro In the Murky Waters of Vatican II. Você poderia contar aos nossos leitores sobre o início de seu trabalho na luta pela Tradição? Quando você começou a escrever contra o modernismo e a situação da Igreja?

PCdeO.jpg - 35972 Bytes

Professor Plinio Corrêa de Oliveira fazendo um discurso público em São Paulo, Brasil
Resposta: Não é sem surpresa que ouvi que meu nome e meu livro são conhecidos em seu país. Mas é gratificante reconhecer o que você afirma.

Comecei a lutar pela Tradição Católica em 1964, pouco depois de completar 18 anos, ou seja, quando o Vaticano II ainda estava em sua terceira sessão. Conheci um destacado líder Católico Brasileiro, o Professor Plinio Corrêa de Oliveira, que expôs um panorama único da Filosofia da História, em que a crise atual da Igreja se insere como o último e mais importante assalto aos inimigos seculares da Igreja Católica e da Cristandade. Sempre amei a Santa Igreja e sua reflexão na esfera temporal. Quando considerei a foto apresentada pelo Prof. Corrêa de Oliveira, percebi a importância da luta contra esses inimigos e a necessidade de gente para fazê-lo. Foi então que dediquei minha vida a essa luta. Passei meu tempo me preparando para a luta, estudando os pontos fracos dos inimigos, e tentando destruí-los com os pequenos meios que tenho em mãos.

Em 1982, foi também o Prof. Corrêa de Oliveira quem me convidou a estudar o Concílio Vaticano II e a escrever a coleção que fiz sobre ele.

Iniciando a redação da Coleção sobre o Vaticano II

2. Pergunta – Seus livros são muito claros nos argumentos, e você cita fontes primárias de documentos pós-conciliares sobre o Vaticano II e outros tópicos. Seus comentários são exatos e factuais. Além disso, o recém-publicado Animus Delendi II. Quando você começou a escrever a Coleção de 11 volumes Eli, Eli Lamma Sabacthani?

Resposta: Em 1982, estudei o Concílio e elaborei uma primeira hipótese sobre qual seria a doutrina que o inspirou. Mas obviamente eu tinha muitas dúvidas. Fiz uma longa lista de pontos que precisavam de mais explicação. Em 1983 fui à Europa bater às portas de alguns dos mais importantes teólogos que inspiraram e prepararam os documentos do Vaticano II. Apresentei-me como aluno do Concílio em busca de explicações. Eles me receberam cordialmente e responderam muitas das minhas perguntas. Essas reuniões foram muito úteis para mim. Os teólogos me mostraram o caminho direto a seguir para entender muitas coisas que eu teria demorado muito para descobrir por conta própria. Voltei ao Brasil com uma ideia clara do que ler e estudar e como preparar minha denúncia da corrente progressista.

Depois de pesquisar, ler e estudar por mais um ano, comecei a esboçar o primeiro volume: Nas águas turvas do Vaticano II. Em seguida, vieram os outros volumes. Durante a escrita, muitas vezes tive que parar e estudar outros pontos doutrinários ou históricos necessários. Em outubro de 1991 terminei de escrever os onze volumes. Tive que voltar várias vezes para atualizar esses volumes. Mesmo agora, para cada volume que vem à tona, preciso inserir novos dados e comentários. No mês passado foi lançado Animus Delendi II, o quinto volume da coleção. O mesmo processo foi seguido com ele.

3. Pergunta: Você mencionou que conheceu muitos teólogos. Seria indiscreto perguntar quem eram eles? Você também poderia dar aos nossos leitores um exemplo dos tópicos que discutiu com eles?

Resposta: Não acho que seja indiscreto, pois não tenho nada a esconder sobre essas entrevistas. De vez em quando, eu os cito em meus escritos.

C 001b Congar smiling InfCat Int 9-1-68.jpg - 38885 Bytes

Cardeal Congar desempenhou um papel decisivo em 12 dos 16 documentos finais do Vaticano II
Em Paris, encontrei o Card. Yves Congar duas vezes, o Card. Henri de Lubac uma vez, e o Card. Pierre Yet, que já foi reitor do Instituto Católico de Paris, uma vez. Eu também conheci o Pe. Marie-Dominique Chenu no mosteiro Dominicano de Le Saulchoir; Christoph von Schönborn, o atual Cardeal de Viena, em Friburgo, Suíça, e o Pe. Hans Küng em Tübingen, Alemanha. Em Roma, tive uma entrevista com o Pe. Giovanni Caprile, que era editor da revista Jesuíta La Civiltà Cattolica e havia escrito uma das crônicas mais conhecidas do Concílio;

Lá também conheci alguns membros da Comissão Teológica Internacional (CIT), um órgão de muito prestígio entre os teólogos. Eu conheci o Pe. Joseph Fuchs, Alemão, duas vezes, o Pe. Edouard Hammel, Canadense, duas vezes, e o Pe. Juan Alfaro, um Espanhol uma vez: os três eram professores Jesuítas na Universidade Gregoriana, certamente o principal instituto educacional em Roma; em Roma encontrei também o Pe. Barnabas Ahern, um Americano, da mesma Comissão Teológica. Em Louvain, Bélgica, encontrei-me com o secretário-geral do ITC, Mons. Philippe Delhaye, duas vezes. Em Paris, conheci outro membro do ITC, o Pe. Bernard Sesboué. Em Innsbruck, Áustria, tive um encontro com o Pe. Karl Rahner, mas ele teve um ataque cardíaco alguns dias antes da data do nosso encontro e foi transferido para uma clínica em Munique. Pe. Raymond Schwager, Diretor do Colégio de Teologia da Universidade de Innsbruck, substituíndo Pe. Rahner e me recebeu duas vezes, fornecendo dados muito bons.

Gravei todas essas entrevistas. De vez em quando eu os cito.

A Teologia da Libertação apontada como modelo para a Igreja do futuro

Você me pediu um exemplo dos tópicos que tratei nessas reuniões. Lembro-me de ter perguntado ao Cardeal Congar se ele poderia me indicar o modelo para a Igreja do futuro. Ele deu uma resposta curiosa que reproduzo com minhas próprias palavras. Ele disse: Você deve olhar para seu próprio continente e seu país. O futuro da Igreja caminhará na direção da Teologia da Libertação de teólogos Sul-Americanos como o Brasileiro Leonardo Boff e o Peruano Gustavo Gutierrez. Congar era um homem sério e bem informado; ele não estava apenas tentando ser amável e me agradar elogiando o Brasil e a América do Sul. Ele estava bastante convencido do que estava me contando. Quando analiso a direção que a Igreja está tomando hoje, muitas vezes me lembro da visão de Congar sobre a Igreja do futuro.

A recente eleição no Brasil de um Católico e Comunista, Lula, um homem que deve toda sua existência política às Comunidades Cristãs de Base, células que difundem a Teologia da Libertação, dá uma nova atualidade a essa corrente. Vamos ver o que vai acontecer lá e se esta eleição terá uma influência nos rumos da futura Igreja. De qualquer forma, esse fato recente chama a atenção para a previsão de Congar.

Colaboração Guimarães-Horvat

4. Pergunta: Você trabalha com a Dra. Marian Therese Horvat? Há quanto tempo vocês cooperam juntos?

Resposta: Meu trabalho com a Dra. Horvat começou em 1996, quando ela traduziu e editou uma declaração que escrevi analisando a palestra que o Arcebispo John Quinn fez em Oxford sobre o futuro da Igreja e do Papado. Meu artigo foi publicado nos Estados Unidos no The Wanderer, em 26 de dezembro de 1996. Depois disso, em 1997, trabalhamos juntos para lançar a edição em Inglês de In the Murky Waters of Vatican II, que foi o primeiro volume da minha coleção a vir à tona. Ela desempenhou um papel decisivo na tradução, publicação e divulgação deste livro. Em 1998, vim para os Estados Unidos para acertar os detalhes da publicação da segunda edição deste livro. No ano seguinte, 1999, me mudei para os Estados Unidos e, desde então, temos trabalhado em uma colaboração mais estreita.

Colaboração entre TIA, The Remnant e Catholic Family News

5. Pergunta: Você também colabora com as revistas The Remnant e Catholic Family News. Há quanto tempo você colabora com o Sr. Michael Matt e o Sr. John Vennari?

D_001_Signers.jpg - 37495 Bytes

Autores de We Resist You to the Face. Da esquerda para a direita, Sr. Vennari, Sr. Matt, Dra. Horvat e Sr. Guimarães
Resposta: Minha colaboração com o Sr. John Vennari e o Catholic Family News começou quando eu ainda estava no Brasil. Ele escreveu uma resenha sobre Murky Waters, e depois me convidou para resenhar um livro sobre o Vaticano II do Dr. Ralph McInerny, o que eu fiz. Ele publicou meu artigo em seu jornal. Depois que me mudei para os Estados Unidos, ele frequentemente me pediu para escrever artigos ou resenhas de livros.

Minha colaboração com o Sr. Michael Matt e The Remnant começou em 1999. O Sr. Matt me convidou para ser colunista regular de seu jornal. Tenho uma coluna sobre análise religiosa contemporânea chamada Panorama de Notícias. Às vezes, também escrevo um artigo para o The Remnant.

A colaboração com estes dois ilustres jornalistas estreitou-se quando decidimos publicar juntos - nós três mais a Dra. Horvat - uma declaração declarando a nossa posição de resistência às novidades do Vaticano II e às coisas que daí resultaram e que não se harmonizam com o prior Pontifício Magistério da Igreja Católica. Esta declaração foi chamada We Resist You to the Face. Um ano depois, nós quatro publicamos outra declaração sobre a proposta de reforma do primado pontifício: Um Apelo Urgente: Não Mude o Papado.

Tradition in Action, que é a organização da qual a Dra. Horvat é presidente e com a qual também colaboro, publicou o livro Close-ups of the Charismatic Movement do Sr. Vennari este ano (2002). A TIA também divulga o livro Gods of the Wasteland do Sr. Matt.

Você pode ver que felizmente estamos trabalhando em uma colaboração muito próxima.

Uma interpretação particular da mensagem de Fátima

6. Pergunta: A terceira mensagem de Fátima começava com as palavras “O dogma da fé será preservado em Portugal.” O Dr. David Allen White, autor do livro The Mouth of the Lion, em um de seus discursos disse que está pessoalmente convencido de que esta frase deve ser interpretada como falando sobre a Diocese de Campos no Brasil onde o Português é a língua oficial, e sobre a Fraternidade de São João Maria Vianney. Você concorda com essa opinião?

Resposta: Eu conheço o Dr. David White e temos muitos pontos em comum com ele. Mas, com o devido respeito, não concordo com esta tese. Acho que Nossa Senhora conhece geografia suficiente para distinguir dois países que estão muito distantes um do outro. Se tomarmos suas palavras em um sentido amplo, então não teríamos um argumento contra as consagrações pontifícias incompletas feitas por Pio XII e João Paulo II. Por que suas consagrações foram insuficientes? Porque não cumpriram todas as condições impostas por Nossa Senhora. Toda a discussão sobre este tema se baseia na precisão de suas palavras quando ordenou ao Papa que consagrasse a Rússia ao seu Imaculado Coração junto com os Bispos de todo o mundo. Quando ela disse Rússia, ela quis dizer exatamente Rússia, e nada mais.

A mesma precisão que se espera no cumprimento de uma parte da mensagem de Fátima em que Nossa Senhora falou de um país, a Rússia, deve ser observada também na parte que falou de outro país, Portugal. Quando Nossa Senhora disse Portugal, ela se referia precisamente a Portugal, e não ao Brasil.

Acho que Nossa Senhora estava se referindo aos pequenos que vivem em Portugal e que têm uma grande devoção e crença nela. Podemos vê-los nas peregrinações que fazem a Fátima. Essas pessoas ainda têm a Fé Católica.

Posição sobre a reconciliação de Campos com o Vaticano

C 002a Rifan.jpg - 19168 Bytes

O Bispo Rifan, de joelhos, presta homenagem a João Paulo II após aceitar o Vaticano II e a Missa Novus Ordo
7. Pergunta: O que você acha da etapa da Fraternidade de São João Maria Vianney que "reconciliou" suas relações com Roma e agora está na posição de indulto?

Resposta: É sempre a mesma história: quando algum padre tradicionalista entra em pânico por causa de sua situação canônica irregular e começa a lidar com o Vaticano, ele diz à sua base que não aceitará o Vaticano II e a Nova Missa, mas sempre termina por aceitá-los. Quem quer que se aproxime do Vaticano atual tentando enganá-lo ou tirar proveito dele, acaba sendo engolido por ele. Em uma de minhas colunas comparei isso com a relação da galinha com a raposa. A galinha diz aos filhotes que vai enganar a raposa e tirar vantagem disso para o benefício da família. Na verdade, não demora muito para que o frango seja comido pela raposa.

Em sua relação com o Vaticano, a Fraternidade de São João Maria Vianney começou por dizer às suas bases que continuaria a rejeitar o Vaticano II e a Nova Missa. Há alguns dias li uma entrevista do recém-ordenado Bispo Fernando Rifan de São Fraternidade São João Maria Vianney dizendo que aceitou o Vaticano II.

Posição em relação às chamadas Missas de 'indulto' e aos padres

8. Pergunta: O que você acha do chamado “indulto” dado aos padres tradicionalistas? Você acha que é o caminho para a reconciliação com a estrutura visível da Igreja?

Resposta: Não gosto do termo “indulto.” Normalmente, usa-se indulto para se referir a um criminoso cuja sentença é adiada pela autoridade, ou pelo menos para se referir a uma pessoa que estava no caminho errado e merecia punição, mas foi perdoada. Isso de forma alguma se aplica aos tradicionalistas em relação à Missa Tridentina. Estamos no caminho certo. Em minha opinião, esse termo foi cunhado por progressistas para depreciar o Tradicionalismo. Portanto, eu não uso. Eu prefiro usar a palavra latina celebret – o que significa "poderia ser celebrado." É o termo oficial usado pelo Vaticano atual para permitir a celebração da Missa Tridentina.

C 001c Hoyos 30Giorni 3-02.jpg - 32332 Bytes

O exigente Cardeal Hoyos, à frente da Comissão Ecclesia Dei.
Se você quiser que eu resuma minha opinião, eu diria: o celebret é bom para os leigos e é ruim para o sacerdote. Eu posso explicar.

É bom para os leigos, porque podem assistir a uma verdadeira Missa celebrada segundo o rito estabelecido por São Pio V no seu Quo primam. Acho que essas Missas são legítimas e válidas. Portanto, os fiéis podem se beneficiar da Missa e dos Sacramentos.

Mas é ruim para o padre. Porque para receber o celebret, ele deve assinar um documento com vários pontos que incluem a aceitação de todos os documentos oficiais do Concílio Vaticano II e toda a reforma litúrgica de Paulo VI. A aceitação da Missa Novus Ordo está incluída na aceitação da reforma litúrgica. Ou seja, ao assinar, o padre faz uma aceitação de jure concordando que tudo no Vaticano II e na reforma litúrgica é Católico.

ATambém quando o padre assina esse documento, ele se obriga a nunca levantar uma polêmica pública sobre qualquer ponto do Vaticano II ou da reforma litúrgica. Se ele tiver dúvidas sobre algum assunto particular, ele pode escrever para a Comissão Ecclesia Dei que dará alguma resposta, ou o padre pode dirigir a pergunta a outras autoridades religiosas, mas ele não pode levantar qualquer discussão pública. Ou seja, é uma aceitação de facto Portanto, com esses dois consentimentos – de jure e de facto – o padre acompanha toda a Igreja Conciliar.

É contraditório para um padre que acredita que a verdadeira Missa é a Missa Tridentina ter que se comprometer com a Nova Missa que ele rejeita e julga ter o sabor da heresia.

Em minha opinião, a situação dos padres que assinam este documento para terem uma situação canônica regular é análoga à situação dos padres do século 18 na França que aceitaram a Revolução Francesa e fizeram um juramento de fidelidade à Constituição Civil do Clero para exercer o seu ministério, evitar a perseguição e escapar ao eventual martírio. O Vaticano II, segundo a famosa citação do Cardeal Suenens, foi a Revolução Francesa na Igreja.

Uma posição pusilânime semelhante foi assumida por muitos Católicos da Igreja primitiva, que queimaram incenso aos ídolos Romanos para não sofrer o martírio. Eles foram chamados de lapsi, o que significa aqueles que falharam.

A TIA e a Fraternidade São Pio X

9. Pergunta: Alguns fiéis em nosso país ingressaram na Fraternidade São Pio X (FSSPX). Ouvi dizer que você também está vinculado à SSPX. O que você acha da obra de vida de Mons. Marcel Lefebvre e a Sociedade São Pio X?

Resposta: Há uma informação errada em sua pergunta. Nunca fui membro da FSSPX. Meu trabalho foi muito bem recebido pela base da FSSPX, mas recebeu uma resposta variada dos chefes da Sociedade. Em 1999 e 2000, o superior da FSSPX nos Estados Unidos, Pe. Peter Scott, condenou publicamente meu trabalho duas ou três vezes, e mais especificamente meus livros Quo Vadis, Petre? e In the Murky Waters of Vatican II. Na última condenação incluiu também os editores do The Remnant e Catholic Family News porque publicaram meus artigos. Você pode ver que isso não foi muito amigável.

Por outro lado, em 2001, o Bispo Richard Williamson escreveu uma carta a seus apoiadores e doadores elogiando In the Murky Waters e Animus Delendi I, convidando-os a comprar e ler esses livros. O Bispo Bernard Felley, superior geral da FSSPX, escreveu uma breve nota de encorajamento para We Resist You to the Face.

Quanto à Fraternidade São Pio X, tenho muitos pontos de afinidade e alguns pontos de discordância.

O dilema: lutar ou se esconder nas catacumbas?

10. Pergunta: Você acha que a crise atual na Igreja Católica será encerrada pelo fator humano? Por exemplo, por ações de tradicionalistas, fiéis e clérigos? Ou por declarações de um novo Papa que será um guardião da Tradição Católica? Ou devemos esperar a vitória do Imaculado Coração de Nossa Senhora? O que você pensa sobre o futuro do Catolicismo em geral?

Resposta: Gosto de suas perguntas. Eles revelam uma preocupação sincera pela Santa Madre Igreja. Deixe-me tentar resumir as respostas.

Não acredito que uma solução para esta crise e a vitória de uma boa causa ocorra apenas por fatores humanos. Tenho a certeza absoluta desta vitória. Posso dar-lhe duas razões para isso:

Primeiro, porque, considerando o conjunto da História, a glória de Deus exige que esta crise termine e que a Igreja volte a brilhar mais esplendidamente sobre todo o mundo e se levante uma nova Cristandade incluindo todas as nações.

Em segundo lugar, porque Nossa Senhora o prometeu em Fátima: ela vencerá e o seu reinado será estabelecido na terra por um longo período de tempo. Portanto, a vitória virá. E será principalmente por ação sobrenatural.

BMas não acho que essa futura intervenção sobrenatural nos isenta da luta agora. Seria muito seguro e confortável esconder-se numa catacumba e dizer: “Estou à espera da intervenção divina que Nossa Senhora prometeu. Portanto, eu preciso ficar em estado de graça, mas não preciso fazer mais nada.” Quanto a permanecer em estado de graça, concordo toto corde [de todo o coração], mas quanto a esconder passivamente nas catacumbas, afirmo o contrário: devemos lutar ao sol. Estou aplicando o princípio de Santo Inácio de Loyola: “Faça tudo o que puder, como se a situação dependesse apenas da sua ação; então espere pela ação divina como se fosse apenas Deus que faria tudo.” É um princípio equilibrado e sábio. Acho que temos uma grave obrigação moral de lutar pela Igreja Católica e pela Cristandade como se tudo dependesse de nós. Se formos poucos, temos que multiplicar nossos esforços. Esse é o meu ponto.

Alguém poderia apresentar uma objeção dizendo que esta ação é inútil porque é impossível derrotar as forças progressistas que tomaram conta da Igreja. Eu responderia: Não, não é. Há muitas coisas que podemos fazer para impedir o avanço do Progressismo na Igreja. Uma vespa pode causar muitos danos se souber como e onde atacar um elefante. Você pode facilmente imaginar como um elefante pode perder o controle com uma vespa picando-o dentro de sua tromba. Acima de tudo, penso que podemos oferecer esta luta a Nosso Senhor e Nossa Senhora como uma oração pedindo-lhes que intervenham. É a melhor oração que eles podem receber.

O conservador, o tradicionalista e o contrarrevolucionário

11. Pergunta: Por favor, conte aos nossos leitores sobre os próximos objetivos da Tradition in Action. Você está escrevendo algum livro novo? Sobre quais temas?

Resposta: Tradition in Action – TIA – é uma pequena organização que possui muitos objetivos em seu estatuto. Atualmente, estamos voltados para atuar no meio conservador e tradicionalista, a fim de ajudar o primeiro a se tornar tradicionalista e o segundo a se tornar contrarrevolucionário.

Vou dar uma breve definição do que entendo cada uma dessas palavras.

O conservador é aquela pessoa que não gosta de mudar, gosta do que recebeu e do que está acostumada. Então, diante da Revolução na Igreja Católica que muda tudo, ele se opõe porque ela quebra seus hábitos e destrói aquilo com que ele se sente confortável. Mas essa oposição não tem raízes profundas, porque não é sustentada por princípios. Por isso, com o tempo, o conservador vai se deslocando aos poucos para a esquerda. Ontem, por exemplo, se opôs à música popular nas igrejas, hoje aprova as Missas nas Jornadas Mundiais da Juventude com rock and roll.

O tradicionalista é aquela pessoa que, diante das mudanças na Igreja Católica - Vaticano II, a nova Moral, a nova Missa, a nova liturgia, etc. - quer voltar ao tempo anterior ao Vaticano II. Ou seja, ao tempo em que a tradição era respeitada: boa Moral, bons costumes, igrejas e devoções piedosas, a Missa de São Pio V, claro, e muitas outras coisas boas. Para alcançar esse ideal, alguns querem voltar ao tempo de Pio XII, outros ao tempo de Pio XI, outros mais para trás.

O contrarrevolucionário é aquela pessoa que, diante das mudanças modernas na Igreja, quer destruir a própria fonte dessas mudanças. Ele vê as mudanças como sendo o objetivo de uma corrente - o Progressismo - que é herdeira de outra corrente - o Modernismo - que foi a herdeira do Liberalismo. Por sua vez, o Liberalismo esteve ligado a todo um conjunto de outras correntes que foram inspiradas e apoiadas por grupos e associações que sempre trabalharam e lutaram contra a Igreja Católica e a Cristandade. Esse movimento começou na Idade Média; com o tempo, estabeleceu uma rede poderosa em todo o mundo para lutar contra os ideais Católicos. Chamamos esse movimento de Revolução. Portanto, o contrarrevolucionário é aquele que vê a Revolução por trás das mudanças atuais na Igreja e quer destruí-la. Ele quer estabelecer na Igreja e na sociedade civil o oposto do que a Revolução deseja. Essa seria uma ordem que seria tradicional, mas é uma espécie de tradicionalismo que está sempre em posição de contra-ataque ao mal.

Tradition in Action tem essa convicção e faz tudo o que pode para atingir esse objetivo. No momento estamos publicando livros, escrevendo artigos, melhorando nosso site para dar mais princípios aos conservadores e ajudá-los a se tornarem tradicionalistas; e mostrar aos tradicionalistas o verdadeiro inimigo nos bastidores - a Revolução - a fim de ajudá-los a se tornarem contrarrevolucionários.

Os próximos livros que planejamos publicar são:
1. Um trabalho sobre homossexualidade - uma atualização do apêndice de In the Murky Waters, em forma de livreto.
2. Outro livro da Dra. Horvat sobre Nossa Senhora do Bom Sucesso. Ela já publicou dois livros sobre o tema, este será o terceiro.
3. Outro volume de minha coleção sobre o Concílio. Será o Volume VI, Inveniet Fidem?, que trata de como o Vaticano II ajudou a destruir a Fé Católica.
4. Vários livros de outros autores também estão sendo considerados, mas não acho que seja oportuno falar sobre isso ainda. Como você sabe, muitas vezes a surpresa é metade da vitória.
Posição sobre a Luta do Pe. Gruner

C 001a Bertone Fat InsideV 1-2002.jpg - 23730 Bytes

Bertone agiu para silenciar a verdadeira mensagem de Fátima
12. Pergunta: Também vemos perseguições contra o Pe. Nicolas Gruner. O que você acha das ações e do trabalho dele?

Resposta: Tenho uma grande admiração pelo Pe. Gruner. Ele é um dos padres mais corajosos que conheço. A sua fidelidade à verdadeira mensagem de Fátima é edificante. Muitas das associações que defenderam Fátima e lutaram contra o Comunismo abandonaram o campo após as declarações do Cardeal Angelo Sodano e do Cardeal Joseph Ratzinger, respectivamente, feitas em maio e junho de 2000. Pe. Gruner e sua associação permaneceram na linha de batalha, apesar dos inimigos e das tempestades. Eu o admiro e seus seguidores por isso.

O principal motivo das perseguições que sofre é a sua fidelidade à verdade Católica. Para seguir em frente com essas perseguições, os progressistas estão preparando algumas armadilhas canônicas. Não conheço todos os detalhes dessas acusações canônicas.



Entrevistas  |  O que as pessoas estão dizendo  |  Tradicionalismo  |  Início  |  Livros  |  CDs  |  Procurar  |  Contacte-nos  |  Doar

Tradition in Action
© 2018-    Tradition in Action do Brasil    Todos os Direitos Reservados